Guilherme Freire (1995) vive e trabalha em Fortaleza. É artista visual e autor.

 

Autodidata, fotografa sua cidade desde 2016, explorando sua relação com o espaço urbano ao redor em diferentes linguagens: seja em imagens vernaculares feitas com pequenas câmeras point and shoot, ou em paisagens documentais com negativos de médio formato. A experiência com filmes fotográficos desacelera seu processo, permitindo detalhar o território tropical e, assim, colocar em questão os problemas sociais inerentes à região.

 

Em 2021, lançou o livro de fotografias "Também ando perdido esses dias", em coautoria com Vítor Ramos, projeto destacado pelo júri no Prêmio Foto em Pauta. Participou de exposições coletivas no Festival de Fotografia de Tiradentes e Rotterdam Photo (2022), Imagem Brasil Galeria (2021), Feira Oriente de Artes Visuais (2019) e Galeria Vicente Leite (2017). Expôs também em mostras independentes organizadas pelo coletivo Muvuca, o qual fundou e integrou até 2018.

Premiações

2021 / Prêmio Foto em Pauta, “Também ando perdido esses dias” - projeto destacado pelo júri

Exposições coletivas

2022 / O urbano entre realidade e utopia - Rotterdam Photo e Festival de Fotografia de Tiradentes

2021 / Exposição "Escritas com luz" - Imagem Brasil Galeria, Fortaleza

          / Painel da fotografia cearense contemporânea 2020

2020 / Por dentro de um tempo suspenso - Foto em Pauta, FotoRio, Solar Foto Festival e DOC Galeria

2019 / Feira Oriente de Artes Visuais - Galeria Aymoré, Rio de Janeiro

2018 / Exposição Coletivo Muvuca - Galeria Mário Baratta, Fortaleza

2017 / 68º Salão de Abril Sequestrado - Fortaleza

          / Exposição Revelações - Galeria Vicente Leite, Fortaleza

          / Galeria #5 - Coletivo Muvuca, Fortaleza

2016 / Galeria #3 - Coletivo Muvuca, Fortaleza